sexta-feira, 30 de outubro de 2009

DIAS ALARANJADOS




Não sei se foram os dias muito corridos nestas últimas semanas ou talvez este outubro que escorreu entre os dedos numa velocidade de filme de ficção científica...



Ou quem sabe não foi esta seca fora de estação que faz com que já se anuncie em cadeia nacional um racionamento de água e de luz no país e que já me deixou tal qual sertaneja catando gotas em baldes há alguns dias atrás...

Ou talvez seja a proximidade de um novo Natal, novamente, uma data que não me cai muito bem já faz algum tempo...


Pode ter sido a ida ao Cementério (contra a vontade de Silvio), um mercado popular que fica em um bairro aqui de Caracas famoso pela violência. Um mercado onde se pode comprar de tudo a preços inacreditáveis. Uma babel de roupas e comidas. Uma mistura perfeita de Porto bello Road e Mercadão de Madureira...


Não sei ... O fato é que tenho andado cansada.

(Pode também ser a idade ... Que ninguém nos ouça.)


É um cansaço estranho que nem mesmo me sentar no balcón e ficar vendo a vista do Ávila consegue resolver. A cidade me parece mais congestionada e os venezuelanos um pouco mais impacientes, principalmente nos dias dos jogos da temporada de beisebol. (Ainda bem que os Leones estão ganhando!) Outro dia, só porque dei uma paradinha na rua, impedindo que todo o trânsito fluísse, uma coisinha rápida, já tinha um motorista atrás me gritando: !!!Arrecha!!! (Que seria algo como: Arrogante ou ... Fodona.) Me enfureci, me indignei, mas não sabia como responder ao insulto. De qualquer forma gritei: !!!Coño!!! Acho que funcionou, pois o motorista saiu ventando e fazendo gestos com as mãos que são conhecidos internacionalmente.


(Pode ser a idade sim ... Ando cansada e impaciente.)


Replantei minha hortinha há quase um mês: manjericão, salsa e chicória e nada das sementes brotarem. Faço tudo que meus sogros faziam quando estavam por aqui. Rego, ponho pra pegar sol, falo com a terra, suplico: Cresce. Nasce. E nada. Ou pior, estão saindo uns verdinhos que eu acho que é mato.


(É a idade... Ando muito impaciente.)


Podem também ser Los Dias Naranjos. Hoje, enquanto eu ouvia Contra Reloj, um de meus programas favoritos, ouvi uma entrevista com o produtor de um novo filme venezuelano sobre um de esses dias alaranjados. O filme trata de outras coisas, mas é verdade, tem amanhecido e entardecido mais cedo e o céu de seca assume esta cor sempre que o sol chega e se vai. Isto deve mexer com a gente.


(Não tem nada a ver com a idade.)


Tem a ver com o silêncio das tardes e também das manhãs. Por onde andam minhas amigas, las guacharacas,  que não as escuto ao amanhecer?

Está uma época estranha ... Não é a idade, não.


E aí me ponho em frente ao computador para escrever um novo texto. E não sai nada. Só a tela em branco me olhando de lado. Me desafiando... Vai arrecha. Escreve! E eu nada. Só olhando.


Quem sabe mais tarde, eu tento de novo. Sei lá, acho que o texto desta semana não sai não.

(in pblower-vistadelvila)

7 comentários:

Celina disse...

Já saiu, Ticha! Mesmo cansada, sem assunto (?), ou cismada com a idade (??) esse texto é lindo!!!

Eulalia disse...

Nâo é a idade, é a arte brotando de outras formas, é a vida vivendo você... com certeza!

Andréia disse...

Pois é, voce achando que o texto nao saiu, e eu achando que o texto é a minha cara...
;)
ah... a arte...

Alzira Willcox disse...

Se todos os textos "que não saíssem" tivessem tanto conteúdo...
Digo-lhe que me identifiquei muito com o texto - eu também ando muito impaciente. E com mais razão do que você, questiono a idade.
Mas há outra coisa em relação a esse meu sentir: a época do ano, esta época. Calor, Natal (também não consigo entrar no espírito), excesso de pessoas nas ruas. Dias alaranjados! Gostei da ideia, mesmo que aqui não os tenhamos fisicamente.Pronto, encontrei ño seu texto uma justificativa para esse meu estado de espírito. Dias alaranjados...

Lúcia Russo disse...

Que maravilha de texto que "não saiu"!!
beijos grndes,

Lúcia

Elza Martins disse...

Com você amiga, não há texto que não saia pois eles são tão fortes que saem, até sem você perceber...

monica disse...

Oi Patricia,
por aqui os dias andam bem alaranjados também e um calor que mesmo tarde da noite um vapor quente emana das calçadas e do asfalto.
Bj,
Mônica