sexta-feira, 20 de maio de 2011

EM QUE CATEGORIA VOCÊ ESTÁ?


Nos últimos tempos, tenho me olhado no espelho e percebido uma fisionomia por demais responsável. E não é só isso, com maior cuidado, dá até para ver algumas rugas de preocupação. Tudo tão diferente daquele rosto leve e quase inocente de meus tempos de IV.

Engraçado, antes, quando eu trabalhava, achava que o estágio mais complexo e sofisticado de ócio, ou melhor dizendo, de vagabundagem curiosa e criativa, seria em situações internacionais. Por isso, quando na Venezuela, me entreguei de corpo e alma ao projeto de ser uma International Vagabond, uma IV de carteirinha.

A princípio não foi nada fácil, eu vinha de uma vida super corrida e de uma rotina frenética. Cheguei em Caracas me exigindo ação... Vou fazer isso e aquilo e aquilo mais... Depois aprendi, até com certa rapidez, que meu tempo era outro e as minhas demandas também. E aí, virei uma IV juramentada.

A volta ao Brasil, porém, tem me trazido desafios bastante pesados. Não é só a volta ao Brasil, afinal eu poderia ter voltado para qualquer outra cidade e aí, acredito eu, saberia transitar como uma NV, isto é National Vagabond, com uma certa facilidade. Mas voltar para o mesmo local onde nasci e, principalmente, estudei e trabalhei, traz desafios quase intransponíveis. Enfim, o que quero dizer é que não é nada fácil ser uma Local Vagabond (LV) em horário integral, vivendo em sua própria cidade.

Tudo conspira para que você volte a ser o que era e, pior ainda, fazer o que fazia. CORRER! Na Venezuela, eu era Patricia Costa e o máximo que me pediam era el número de mi cédula. Por aqui, voltei a ser Patricia Blower e é um tal de RG, CPF, firma reconhecida... Está certo que estou acertando um monte coisas que ficaram pendentes, mas sinto saudades daquele anonimato estrangeiro.

A vagabundagem curiosa e criativa exige um compromisso, uma dedicação quase monástica. É preciso muita concentração para se entregar ao não-fazer, ou melhor, ao fazer-lúdico, ao fazer-inteligente, ao fazer-sem-obrigações. E olhem, garanto que no exercicio de tal vagabundagem fiz e aprendi muita coisa.

Então, já tendo descoberto que ser IV é nivel de graduação, ser NV equivale a uma especialização ou a no máximo um Mestrado e o que pega mesmo, o que exige dedicação integral, o que é um Pós-Doc puxado é ser LV, decidi me aprofundar nesta pesquisa e descobrir outras categorias de vagabundagem, sempre lembrando que esta deve ser curiosa e criativa.

Antes de começar, porém, registro que todos os termos e abreviações estarão em inglês para que eu possa ficar mais alinhada com as mais modernas consultorias,  principalmente as de RH. (Acho que siglas em inglês ficam mais chiques.)

Senão vejamos:

Categoria 1: WET (Weekend Trainee) - Este é o estágio mais básico. Começamos a nos dedicar a ele ainda no ensino fundamental, quando sonhamos que a sexta-feira vai chegar e, apesar de todo o dever de casa, vamos ter dois dias para brincar. O conhecimento adquirido neste estágio permanece com o indivíduo até a sua aposentadoria ou demissão.


Categoria 2: SCS (School Camps Surveyor) - Neste estágio, o indivíduo é um pesquisador, aberto a novas (primeiras?) experiências. A idade aqui  é algo fundamental. Só mesmo adolescentes, talvez por razões hormonais, são capazes de resistir às atividades, às acomodações e, principalmente, à comida de tais lugares.

Categoria 3: LoHA (Long Holiday Apprentice) - Neste estágio, o indivíduo explora todas as possibilidades de vagabundagem de forma bastante sintética. Cada minuto vale ouro, apesar de muitos serem perdidos em enormes engarrafamentos. Uma das tarefas a que um LoHA se dedica com maior prazer é fazer, logo no início de cada ano, o levantamento detalhado de todos os feriados passíveis de enforcamento.

Categoria 4: VV (Vacational Vagabond) - Apesar de este ser um estágio bem comum, não deve ser menosprezado. Um VV de carteirinha jamais venderá suas férias, mesmo que a peso de ouro. Existem VVs ativos, aqueles que sempre saem, viajam em suas férias e VVs passivos, que preferem ficar em casa para descansar.

Categoria 5: AVV (Anomalous Vacational Vagabond) - Anomalia grave percebida em alguns indivíduos. É o caso daquele que decide usar suas férias para botar as coisas em dia. Exemplos clássicos: Ir a médicos, fazer exames, organizar a casa.

Categoria 6: CVV (Compulsive Vacational Vagabond) - Um CVV pensa em suas férias todos os dias de sua vida. Na verdade, vive, trabalha, respira com o único objetivo de em uma época do ano sair de férias. Pode levar meses planejando seu próximo período de lazer e, em casos mais agudos, pode sofrer de estafa depois de desfrutar as alegrias de todos os eventos que se propôs a fazer. Em casos muito raros, a estafa vem antes das férias, só com o esforço do planejamento. (Também conhecido como TP - The Planner)

Categoria 7: HR (Happily Retired) - Aquele que se aposenta e descobre as delícias e surpresas do mágico mundo da vagabundagem. Para alguns estudiosos, um HR deve sempre cuidar para não se transformar em um RR (Retarded Retired) que só gosta de ficar na pracinha jogando cartas ou dominó. No entanto, há pesquisadores idôneos que também consideram válidas tais atividades.


Categoria 8: hr (happily redundant) - Mesmas caracteristicas do item anterior, só que originadas por demissão.

Categoria 9: CV (Cruise Vagabond) - Este é um estágio com registro mais recente, mas que tem sido percebido em vários indivíduos que só se sentem descansando quando estão fazendo algum cruzeiro pelos mares afora. Não importa que mares, o importante é a brisa, o sol, a piscina, o cinema, o cassino, a boate, os jogos, as roupas, as comidas, os shows..... E por falar em shows, isto introduz a próxima categoria.

Categoria 10: CVWRC (Cruise Vagabond with Roberto Carlos) - O mesmo que o anterior, mas com rosas vermelhas. 

Como podem ver, este é um universo de pesquisa vasto e desafiador. Visitei apenas a ponta do iceberg. Talvez em próximos textos... Epa!!! Não disse que era muito dificil me manter LV sem cair em armadilhas. Paro por aqui imediatamente. Afinal, está mais do que na hora de descansar!

Nota 1: Foto tirada por mim na Republica Dominicana, onde exerci em plenitude o meu oficio de IV. Estávamos na Isla Saona. Esse catamarã foi nosso meio de transporte em alguns momentos por lá.

Nota 2: Para maiores informações sobre IVs, aconselho a leitura do texto How to be an International Vagabong publicado no blog em fevereiro de 2009.

(in pblower-vistadelvila-blogspot.com)

5 comentários:

Shirley Teacher- Ilha Branch disse...

Eu estou entre os estágios 4 e 5! (^^)

Celina disse...

Amei!!! Só você,fundadora e presidente do IV, poderia categorizar a vagabundagem. E eu sou sócia remida! A minha categoria, seria CIVV, Compulsive International Voyager/Vagabond. Quando não estou viajando, estou pesquisando a próxima ou escrevendo sobre a última.Por falar nisso, quando vamos vagabumdear juntas???

Eulalia disse...

Adorei a postagem! Só você mesmo!

acho que a minha seria algo como SC (searcher compulsive -seria assim que se escreveria?) - em vez de me aposentar da academia, só mudei o objeto de pesquisa... (rs)

Anônimo disse...

Estou entre as categorias 3 e 4... q delícia de teoria... quero ser FV (forever vagabond) ... sorry my english. bjks Si

ayabrag disse...

Me incluo nesse clube, até pq a gênese das IV foi vivencia em parceria, mas reconheço que etou um estágio atrás de ti. Por isso mesmo, sempre serás minha inspiração, meu guru, minha lider, a quem sempre recorro qd me sinto ameaçada pelas recaídas...