sábado, 6 de dezembro de 2008

PROSA E POESIA


Uma coisa que me encanta em Caracas é que em cada Centro Comercial (não usam o termo Shopping), há pelo menos uma livraria. Era algo que, confesso, não esperava encontrar por aqui. Na verdade, descubro com muita vergonha que antes de vir para cá tinha alguns pré-conceitos sobre o lugar. “Poco a poco, paso a paso” (como diz uma antiga canção de Aldemar Romero... mas isso é outra história), fui descobrindo autores venezuelanos com textos lindíssimos. Uma narrativa sempre muito ágil e plástica. Especialmente os contistas. Claudia me tem apresentado muitos contistas. Talvez pela proximidade com a Colômbia e com seu expoente máximo, Gabo, o que se fez e se faz na Venezuela fique um tanto no desconhecido, pelo menos para nós brasileiros.

Foi numa tarde de chuva, bem caraquenha, enquanto Soraya e eu visitávamos uma livraria maravilhosa que existe no Trasnocho Cultural, no Paseo de Las Mercedes, que, entre ensaios, elucubrações, contos, trocas de idéias, livros antigos, fotos da cidade, encontrei La Noche Todavia. Um livro com poemas muito curtos, imagens enxutas, palavra seca e poderosa. Um livro de Ana Maria Del Re. Foi paixão a primeira vista. Fui me reencontrando com uma Poesia que eu sempre busquei escrever. Tirar da palavra o seu máximo em textos concisos e espaços em branco.

Alzira me escreveu um e-mail há pouco tempo e peço sua permissão para transcrever aqui uma parte dele.

Patrícia,
(...) Eu tenho seus livros de poesia e gosto muito. Eu amo poesia porque cresci ouvindo boa poesia. Aquela de Angra eu adoro! E vi logo o que ela tem em comum com a que você postou. Achei interessante fazer você recordá-la. Meu lazer e meu prazer é ler boas poesias.(...)

Beijo grande.

Alzira

Que enorme alegria eu tive em rever um antigo poema que eu havia escrito há mais de 15 anos. Obrigada, Alzira, pela delicadeza. Segue, portanto, para você, e para todos que gostem de boa Poesia, um pouco de Ana Maria Del Re. Textos no original em espanhol, acompanhados de precárias legendas em português.

Espacios
entre el silencio
y esta palavra incierta
que se fuga
(Espaços / entre o silêncio / e esta palavra incerta / que foge)


Un tiempo
de silencio
hiere
la memória
(Um tempo / de silêncio / fere / a memória)

A veces
parecen inmóviles
las nubes
aunque la errancia
es su destino
(Às vezes / parecem imóveis / as nuvens / ainda que a errância /seja seu destino)


En tiempos de escasez
aún nos queda
la abundancia
del verano
(Em tempos de escassez /ainda nos resta /a abundância / do verão)

E por fim este, que considero o mais lindo:

Quizás cuando pierde
sus hojas
el árbol
es más recio

(Talvez quando perca / suas folhas / a árvore / seja mais robusta)

Recebi, aqui em Caracas, um presente dos deuses. Eu, que não escrevia nada há quase 10 anos, voltei a escrever. Voltei a ter o prazer maior de enfrentar uma folha em branco e nela me inscrever. Para surpresa minha, nada de Poesia. Ela tem me rondado, mas não permite maiores intimidades. Que seja. Sou sua fiel e eterna seguidora. Por enquanto, continuo a contar minhas histórias, a me divertir e, espero, a divertir os que me lêem. No mais, como diz Ana Maria Del Re:

(...)
Entre deseos
y nostalgias
se nos pasa la vida
como el poema


8 comentários:

ayabrag disse...

Estou estranhando muito os nossos passeios e as nossas descobertas do mundo caraquenho. Adorei o e-mail sobre as mudanças e como elas fazem a vida mais feliz. A tua mudança de executiva para o retorno a ser poeta só pode te tornar mais feliz. Essa é a tua essência. e desta foram, nós tb somos mais felices por podermos ler teus lindos textos.
Beijos

Elza Martins disse...

Querida Pat:
Sua ligação com a poesia é inquebrantável. Ela está em você e você é parte ela. Adorei saber que ela se faz presente em Caracas, sem se intimidar pela linda prosa que jorra sobre nós, seus leitores assíduos. Sei que você vai deixar que o namoro entre vocês continue, deixar que ela se insinue e siga insinuante você também. Este é o melhor período de todo relacionamento, o conquistar e reconquistar diário do objeto amado. Com isso ganham todos, os envolvidos e aqueles que os cercam pois, todos se tornam pessoas mais encantadoras e abertas aos sentimentos que a vida nos apresenta. Obrigada por estes momentos ludicos, e lindos com os quais você nos brinda semanalmente.
Beijos.

monica disse...

Muito boooommmmm!

Mônica

Alzira Willcox disse...

Que surpresas agradáveis! Primeiro ter o seu texto publicado antes de terça. Segundo, ler um trecho do meu email nele inserido. Adorei as poesias de Ana Maria Del Re. Você muito bem a definiu - toca-nos profundamente.
Depois lhe mando um email sobre certas coincidências que ocorrem quando há afinidade entre pessoas...
Foi um prazer, mais uma vez,ler o seu texto. E melhor saber que você retomou o seu ofício de poeta (não importa se em prosa ou em verso!). Bjs.

Mabel disse...

Pat,

que bom saber que a poesia anda rondando. Aos poucos ela vai se apoderar de você; acho que basta permitir.
Gostei muito dos poemas; me fizeram pensar sobre a vida que passa e sobre como às vezes nos surpreende como coisas novas e inesperadas.
Mas a poeta é você...
Bjs saudosos,

M.

Celina disse...

Desde pequena eu dizia que se não fosse nada na vida, eu seria sua prima, lembra? Bom, eu já fui "de um tudo", mas ser sua primoca, sua irmã mais nova, ainda é o que mais me orgulha..Adorei os poemas, são bem o meu estilo e o espanhol é uma lingua linda, que "calienta las palavras y las imágenes"
E você... poetiza mesmo em prosa. Sempre adorei te ler.

Fernando disse...

Olá, Patrícia
Os poemas de Ana Maria mais sua prosa-doce-deleite serviram de analgésicos a dor latente de falta de poesia na vida-engrenagem do dia-a-dia.
Obrigado,
Bjs

Bia Veiga disse...

Quanta alegria poder ler suas histórias. Fui apresentada a você pela Elzinha e a primeira coisa que falou foi sobre suas poesias e sobre os encontros onde vocês recitavam poesias.
Que lindo e que poesia isso acontecer na minha vida. Penso que é poesia sim e como é gostosa de viver. Eu não tenho tanta desenvoltura com as palavras, mas as adoro, escritas em papel ou em telas de computador. Obrigada por isso que tem me proporcionado. (com certeza seus outros leitores também estão adorando pelo que estou lendo todas as terças, rsrs...).
bjs